As pessoas estão cada vez mais ocupadas e preocupadas apenas consigo mesmas. Em um mundo onde tempo é dinheiro, ninguém perde o seu tempo jogando uma garrafa que está no chão, no lixo. Este vídeo que vamos te mostrar, já foi visto por milhões de pessoas em todo o mundo e tem uma mensagem por trás quem nem todos percebem.

Nos primeiros minutos você não entende direito o que está acontecendo, até que uma mulher toma uma atitude e algo surpreendente acontece.

Assista agora e tenha uma lição incrível que pode mudar o seu jeito de enxergar as coisas.

Este vídeo mostra, que uma atitude simples, como jogar uma garrafa no lixo, passa despercebida pelas pessoas diariamente. Uma atitude que se feita por todos nós, mudaria a realidade do nosso planeta. Chega a ser engraçado a reação das pessoas no vídeo, mas algo tão simples, não é feito pelas pessoas. Uma pegadinha simples, mas realmente impactante. Que nos faz ver o quanto somos individualistas e não fazemos aquilo que sempre nos foi ensinado.

O que você achou do vídeo? Você teria jogado a garrafa no lixo ou teria passado reto como todos os outros? Comente aqui sua opinião.

Lições de vida: a humanidade ainda tem jeito!

Postamos constantemente aqui, matérias sobre lições de vida que mostram que a humanidade ainda tem jeito. Uma recente, foi a história de uma garçonete que foi bondosa com um mendigo, e algo surpreendente aconteceu.  Mary era uma garçonete que trabalhava em um restaurante no Texas. Certo dia um morador de rua adentrou o estabelecimento e fez um pedido que não parecia compatível com suas posses. Cheirando mal, com aparência que indicava miséria e um humor rabugento ele se sentou no meio do salão. Mesmo notando que ele e o público que normalmente frequentava o local eram diferentes, Maria o tratou com respeito, dignidade e igualdade.

O público que estava ao redor ficou inquieto com relação a aparência e o mal cheiro do homem, mas Maria manteve sua postura profissional e amável. É claro que, dentro de si, Maria se questionou se o cliente teria como pagar a conta, mas ela sabia que não cabia a ela esse julgamento e o serviu com abundância enquanto entregava tudo o que ele pediu.

O homem, claro, percebeu que estava sendo bem tratado por ela. Pela primeira vez em muito tempo alguém o tratava como um ser humano e não como um estorvo que prejudicava o dia de trabalho de alguém. Mary olhou em seus olhos, disse seu nome e sorriu. Terminado o serviço, Mary colocou-se à disposição: “Estarei aqui, caso o senhor precise de algo mais.”